×
Denúncia

Em vídeo, moradores do bairro Cidade Nova 1 denunciam Amazonas Energia

Em vídeo, um dos moradores registrou o momento que a equipe da Amazonas Energia está trabalhando nos postes da via

Manaus (AM) – A instalação do novo sistema de medição da Amazonas Energia segue revoltando os manauaras. Desta vez, moradores da rua Curió, no bairro Cidade Nova 1, alegaram que a concessionária está descumprindo a decisão judicial. Em vídeo divulgado nas redes sociais, um dos moradores registrou o momento que a equipe da Amazonas Energia está trabalhando nos postes da via.

A presença dos trabalhadores gerou revolta, pois a Justiça do Amazonas determinou que a concessionária suspenda implantação do novo sistema por entender que ele viola o direito do consumidor. A denúncia da instalação veio após a troca dos medidores de energia, em que as contas faturadas pela concessionária mais que triplicaram de valor.

Veja o momento:

Em alguns casos, a fatura chega aos consumidores com valores superiores a R$ 1 mil, mais caras que um salário mínimo. Foto: Divulgação

A dona de casa Eliane Silveira, de 52 anos – uma das afetadas pela troca -, se revoltou com a possibilidade de a concessionária voltar a instalar os medidores. “Comemoramos quando a justiça determinou que estava suspensa instalação e agora eles voltam a instalar de novo? Não dá, não tem como aceitarmos esse roubo”, declarou a dona de casa.

Moradora do Canaranas, um dos conjuntos afetados com a mudança das medições, Fátima Alves, de 41 anos, declarou que é um absurdo a possibilidade da retomada das instalações.

“Isso é um crime e um desrespeito com a população. Eles não pensam na gente e querem tirar de quem já não tem. Se não respeitam nem a justiça, imagina nós, a população. ” Em nota, a Amazonas Energia informou que as denúncias não são verdadeiras, pois a população está confundindo os serviços realizados. A concessionária explicou que os funcionários ainda fazem inspeções e leitura ou qualquer outro serviço de rotina.

IPEM fiscaliza medidores de energia

Divulgação/IPEM

Visando investigar a denúncia de aumento nas contas, o Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem) iniciou, nesta quarta-feira (2), uma operação de fiscalização nos novos medidores de energia. Os trabalhos acontecerão em dois bairros da capital, onde a empresa instalou os aparelhos antes da Justiça suspender a instalação.

De acordo com o diretor-presidente do Ipem, Márcio André Brito, a fiscalização seguirá até sexta-feira (04) e consistirá na instalação de medidores padrão do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Em seguida, os dados serão comparados com os aparelhos da Amazonas Energia para verificar se estão realizando a medição correta. “O que o Governo do Estado está fazendo é exercendo o direito do cidadão, fazendo com que ele tenha certeza que não está pagando por uma conta com valor adulterado, para ele ter a garantia que ele não está sendo prejudicado, que não está sendo praticado nenhum crime contra a economia popular. Esse é o papel do Ipem”, destacou o diretor-presidente do órgão.

Irregularidade pode causar multa

A análise avaliará um ciclo de consumo de 50 medidores instalados pela Amazonas Energia. Serão 30 no bairro Cidade Nova, zona norte; 10 no bairro Parque 10, zona centro-sul; e mais 10 da comunidade indígena Urucaia, localizada no bairro Cidade Nova, zona norte.

“Após essa instalação, serão acompanhados por 21 dias essas medições e vamos avaliar o resultado. Aí podemos garantir se existe realmente a fraude ou o equipamento que foi instalado está medido corretamente”, disse Márcio André Brito.

Caso haja irregularidade, a empresa pode ser autuada e multada em até R$ 5 milhões. Além disso, a ação visa verificar se os aparelhos nas residências dispõem de displays de leitura para o consumidor ter acesso aos números do consumo de energia. O presidente do Ipem informou, ainda, que qualquer cidadão pode procurar atendimento no órgão caso perceba suposta irregularidade na cobrança do consumo de energia.

CPI da Amazonas Energia cobra explicações da concessionária

Os deputados estaduais que integram a CPI da Amazonas Energia realizaram a primeira reunião deste ano, nesta quarta-feira (2). Na 20ª sessão, os parlamentares aprovaram diversos requerimentos, como por exemplo, o calendário da CPI Itinerante, bem como a cobrança sobre as informações dos valores da taxa de iluminação pública, repassados às prefeituras.

O presidente da CPI, Sinésio Campos, declarou que diante dos fatos está requerendo, no prazo de cinco dias, que a Amazonas Energia encaminhe todos os valores recolhidos, de junho de 2019 até o mês de fevereiro, deste ano. “Queremos saber quanto está sendo arrecadado e para onde está indo esse dinheiro. Creio que a transparência, o bom uso do dinheiro público fala mais alto, aqui na CPI”, completou Sinésio.

Leia mais:

Movimento comunitário promete enfrentar Amazonas Energia e novo sistema de medição

Procon-AM autua frigorífico após encontrar 1,5 tonelada de polpa de fruta armazenada irregularmente

Pontos de ônibus em Manaus receberão lâmpadas de led

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.