×
Caso Lucas

Veja a participação dos envolvidos na morte do sargento Lucas em Manaus

Lucas foi assassinado em setembro do ano passado, na própria cafeteria, na Praça 14 de Janeiro

Manaus (AM) – A investigação do assassinato do sargento do Exército Brasileiro Lucas Ramon da Silva Guimarães já está elucidada, conforme afirmou a Polícia Civil do Amazonas na manhã desta quarta-feira (9). Sete pessoas agiram direta e indiretamente no assassinato.

Durante a terceira fase da Operação “Lucas 8:17”, nesta quarta, quatro pessoas foram presas, dentre elas o casal Joabson Azevedo Freire e Jordana Azevedo Freire, apontados como mandantes do crime. As prisões ocorreram em bairros distintos da capital amazonense.

Qual foi a participação de cada um?

Kamylla Tavares da Silva e Romário Vinente Bentes, presos nesta nova fase da operação, intermediaram a contratação de Silas Ferreira da Silva, de 26 anos, apontado como pistoleiro do crime.

De acordo com o delegado Ricardo Cunha, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Romário era gerente no supermercado dos mandantes do crime e apontado como o “braço direito” de Joabson.

Já Kamylla intermediou o contato entre Silas e Romário referente aos detalhes da morte do sargento.

“Dentro do crime, Joabson e Jordana são apontados como mandantes da execução. Romário é a pessoa responsável por contratar Silas e Kamylla e mais duas mulheres, consideradas foragidas que intermediaram o contato entre Romário e o pistoleiro. As provas estão nos autos e esperamos remeter esse inquérito à Justiça no prazo de dez dias. As motivações e condutas de cada um deles foi exposta”, explicou Cunha.

Prisões

O casal Joabson e Jordana foram presos em cumprimento a mandados de prisão na casa deles, no bairro Adrianópolis, na Zona Centro-Sul.

Kamylla foi presa no bairro Colônia Terra Nova, na Zona Norte, e Silas no bairro Coroado, na Zona Leste.

A Justiça concedeu prisão domiciliar à Jordana. Os outros suspeitos devem ficar à disposição da Justiça em uma unidade prisional da capital amazonense.

Procuradas

A Polícia divulgou as imagens das primas Kayandra Pereira Castro e Kayanne Castro Pinheiro dos Santos. Conforme a polícia, Kayanne já foi presa com uma arma de fogo, em 2017.

A investigação aponta que as duas tiveram participação secundária ajudando Kamylla na intermediação da contratação do pistoleiro.

Elas são foragidas da Justiça e denúncias sobre o paradeiro delas podem ser feitas ao número (92) 98118-9535 e 181 da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas.

Nome da operação

O nome da operação remete a um versículo da Bíblia. Lucas 8:17 (Porque não há nada oculto que não venha a ser revelado, e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz.. Porque não há coisa oculta que não haja de manifestar-se, nem escondida que não haja de saber-se e vir à luz”.

Leia Mais

Mulheres são procuradas por morte de sargento do Exército em Manaus

Donos do Vitória são presos novamente pela morte de sargento em Manaus

Nove cidades do AM têm alta taxa de homicídios de mulheres, aponta estudo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.